Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Qual o teu legado?

por doinconformismo, em 12.03.18

Cada vez penso mais neste tema.

Talvez porque olho para o estado do país e do mundo.
Talvez porque há 2 anos vi o meu pai, um homem ativo no pleno domínio das suas faculdades, ser reduzido a nada na sequência de um AVC. E alguns dias depois, recuperar por milagre quase por completo.
Talvez porque tenho 2 filhos e quero mudar o seu mundo para melhor assim como quero que eles cresçam para ser pessoas inteiras, bem resolvidas, dedicadas aos outros de forma mudarem o mundo à sua própria maneira.
Talvez porque os "entas" já cá estão há um ano ou dois e não posso evitar pensar que qualquer dia estarei a meio da vida e que tudo o que aprendi nesta primeira metade vale a pena partilhar. Todas as experiências, os erros, ...
Certo é que PRECISO de fazer alguma coisa.
 
Então neste fim de semana dediquei-me não apenas a pensar mas a ESTRUTURAR o que deverá ser o meu legado e como o poderei construir e partilhar. Planear e medir, certo? Não é a boa maneira portuguesa, mas é uma boa maneira.
Em devido tempo escreverei sobre o que fiz e com que objetivo.
Mas o certo é que este blog faz parte do grande plano para conquistar o mundo e portanto não poderia deixá-lo mudo nem mais um dia. E assim, aqui está a minha promessa de que este blog será atualizado semanalmente, entre uma a três vezes por semana.
 
Já me conhecem, não esperem temas práticos ou de lifestyle. Eu sou, por natureza, uma pensadora de fundo e é o resultado dessas reflexões que me comprometo a trazer, aí sim com pormenores práticos.
No próximo post vou explicar-vos como comecei a estruturar a ideia do legado e como o construir. Alguém por aí que se dedique a pensar nisso? Que conclusões tem para partilhar?
 
Aguardo os vossos comentários sobre este artigo e outros assuntos que considerem importantes.
Até breve!

Reflexões de uma mente em mudança

por doinconformismo, em 02.11.14

São sem dúvida tempos diferentes os que têm sido vividos nestas últimas semanas. Num momento parece que tudo se desmorona para logo a seguir algo de positivo acontecer e a esperança voltar a brilhar.

Algumas situações têm sido particularmente profícuas na capacidade de me fazer refletir, e não posso deixar de as referir aqui:

Em primeiro lugar, a honra e o privilégio de ter sido convidada para uma festa de jubilação de alguém que sempre admirei e que, nunca sendo minha hierarquia, deixou marcas indeléveis na minha vida. Será que quando chegar a altura de eu própria me retirar, alguém poderá dizer o mesmo acerca de mim? O que posso melhorar na minha postura no dia a dia para que o meu exemplo cause impacto em mais pessoas? 

Em segundo lugar, uma festa de obrigado que eu própria tive o privilégio de organizar para alguém que soube estar e mostrar um savoir faire invulgar, tratando com elegância até os assuntos mais "cabeludos". Grande exemplo, grande legado. Vai ficar para sempre na minha memória.

E claro, todas as notícias. Falo de notícias a sério, o que está realmente a acontecer, porque especulação e artigos de opinião valem o que valem e neste momento não ajudam a quem no dia a dia se esforça por continuar a mostrar porque é que a PT é uma grande empresa. Algumas são boas notícias, algumas não podem deixar de causar apreensão. E no meio de todo este tumulto observo a solidariedade de que certos seres humanos são capazes e não posso deixar de continuar a acreditar em nós, pessoas comuns, que a cada dia fazemos o que podemos. E de repente mesmo à minha frente surgem oportunidades de ajudar alguém e a felicidade que ocupa o meu coração por saber que vai correr bem é indescritível. É assim que se causa impacto? Talvez. Acredito que não é uma grande coisa que o faz, mas todas as pequenas ações diárias. Mesmo as anónimas. Especialmente as anónimas.

E quando no meio de toda a mudança algo positivo acontece, podemos simplesmente dizer que "há males que vêm por bem". Mas eu vou mais longe: não deixo de me sentir completamente assoberbada por ver que quando tudo podia correr mal, há pequenos oásis que nos confortam e nos fazem seguir em frente. Como ainda esta semana escreveu uma querida amiga: "Não Desanime. Quando tudo nos parece dar errado, acontecem coisas boas que não teriam acontecido se tudo tivesse dado certo."


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever newsletter



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D