Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Os velhos do Restelo são cada vez mais jovens

por doinconformismo, em 15.05.18

“Loucura é querer resultados diferentes mas fazer sempre tudo igual” – Albert Einstein

 

O Velho do Restelo, personagem d’Os Lusíadas introduzido no Canto IV, é o símbolo dos pessimistas, de quem não acredita em novos empreendimentos, precisamente porque nunca foram tentados antes. Este episódio apresenta uma pessoa eloquente mas significa o conservadorismo, a má vontade, a falta de espírito de aventura e a atitude de desprezo face a ideias originais.

 

Por alguma razão Luis de Camões decidiu ilustrar este personagem como um velho. Não uma pessoa de meia idade, não um jovem, mas um velho.

E de facto lembro-me de, quando era adolescente, serem os velhos que meneavam a cabeça e comentavam como o mundo estava perdido com essa nova geração a que eu pertencia, tão perdida que estava.

Quando comecei a trabalhar, a cada nova ideia que apresentava, havia sempre um grupo de gente já perto da reforma que me diziam “eu também era assim mas não vale a pena. Sempre fizemos assim e vamos continuar a fazer, por isso deixa-te de ideias”.

Mas algum tempo depois houve uma enorme mudança e as gerações mais idosas começaram a ser dispensadas nas empresas e ignoradas na maioria dos círculos. Para que os obstáculos à inovação fossem removidos. Para que se pudesse avançar com novas ideias. 

Não sei exatamente quando foi que tudo mudou, mas o que vejo hoje são pessoas com 40-50 anos a gerarem novas ideias, a liderarem autênticas revoluções… e uma nova geração a torcer o nariz e a olhar com desdém. É um facto, estas pessoas não começaram agora a transformar o mundo. Já o fazem há muito tempo e isso dá-me confiança de que continuarão a fazê-lo enquanto viverem e tiverem condições. O que me preocupa é a possibilidade de as novas gerações deixarem de ser o catalisador para passarem a ser o travão. Que o seu mantra seja o início da estrofe 95: “Ó glória de mandar, ó vã cobiça, desta vaidade a quem chamamos Fama!”

Tenho o privilégio de conhecer e trabalhar com um punhado de gente entre os 20 e os 30 anos que me dá esperança. Dinâmicos, dedicados, cheios de ideias, inovadores, sempre prontos para novas aventuras. Todos os dias aprendo com eles, todos os dias agradeço o privilégio de ter a oportunidade de construir alguma coisa em conjunto.

O que mais desejo é que esta atitude se propague como um vírus. E que da próxima vez que nos lançarmos numa epopeia, por mais desconhecida ou tenebrosa, não fique ninguém em terra a arengar. 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever newsletter



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D