Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O tempo é areia nas nossas mãos

por doinconformismo, em 07.05.18

 

g-de-areia.jpg

 

Este sábado fui, como habitualmente, levar o meu filho mais novo à natação, orgulhoso que ele está dos seus progressos.

À mesma hora decorre uma aula de natação de progenitores com os seus bebés. Fiquei com os olhos presos neles. Não me lembro de os meus filhos serem bebés. Sim, claro, olho para as fotos e reconheço-os, lembro-me das noites intermináveis sem dormir, especialmente no caso do mais velho. Mas tenho mesmo que fazer um esforço muito grande para me lembrar de como eram com 2 ou 3 anos. Com aquele cheiro característico e os olhos cheios de inocência.

Ao mesmo tempo o filho mais velho está cheio de testes, precisa de ajuda para estudar, está cansado, quer estar com os amigos… olho para ele e penso que é provável que já não fique no ninho outros tantos anos como até agora… ensiná-lo a voar é agora mais importante que nunca!

Este ano eu e o meu homem celebramos 20 anos de casados. Duas décadas! Na verdade já quase não me lembro dos anos em que éramos apenas dois. Lembro-me que trabalhávamos muito e viajávamos muito. E tínhamos mais cabelo escuro e menos barriga. Mas a energia colocada em cada tarefa e a intensidade com que vivemos a vida é a mesma.

E entretanto o dia da mãe, confesso que até não ligo muito ao dia, só dou importância aos abraços e beijinhos dos meus. E poder ainda dizer à minha mãe o quanto ela é importante para mim. A cada ano que passa mais agradeço a Deus pela minha mãe, pelo facto de ainda a ter ao pé de mim com saúde e juízo na cabeça. Em cada verão fico feliz por podermos ir de férias juntos uns diazinhos, em cada aniversário e cada Natal sei que é um privilégio escasso podermos celebrar juntos, sentir o toque, abraçar.

Há 20 anos parecia-me que ia ser jovem para sempre e ia ter tempo para tudo. Dessa altura, guardo o hábito de encaixar várias coisas no meu já apertado calendário. Hoje vejo que o tempo foge, desaparece simplesmente, como o aroma de um perfume guardado há muito.

Não posso controlar a sua passagem, mas posso controlar o uso que faço dele. Como no caso do dinheiro, tento não o desperdiçar. Como no caso do sabor de uma comida muito boa, tento prolongar os bons momentos e ficar com vívidas memórias. Como no caso de uma obra artística, tento que o meu investimento dê muito fruto em mais vidas além da minha.

Não posso sequer controlar o que vai acontecer nos próximos momentos, mas posso decidir o que fazer agora. E no agora e sempre, escolho fazer a diferença!

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever newsletter



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D