Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Da Esperança

por doinconformismo, em 08.04.18

Este fim de semana juntou mais de 25.000 cristãos evangélicos no Campo Pequeno num evento denominado Festival da Esperança . Foi um tempo com um cariz marcadamente evangelístico, mas que serviu também para demonstrar mais uma vez que o povo de Deus é capaz de colocar as diferenças de lado e proclamar a uma só voz o nome de Deus. Neste caso, que há esperança em Deus.

É provável que quem não acredita em Deus pense que para quem acredita é fácil ter esperança. Afinal, se estas pessoas já são capazes de acreditar em alguém que nunca viram, um dos resultados dessa fé deve ser esperança.

No entanto o que eu tenho observado é que tanto há crentes desesperançados como ateus cheios de esperança e capazes inclusivamente de a transmitir aos outros.

E não poderia concordar mais. Afinal de contas, temos muitas razões para acreditar num futuro melhor apesar do que os media nos querem fazer crer:

1. Nunca vivemos uma época tão segura como agora. No mundo inteiro. Apesar dos relatos diários de guerra, morrem muito menos pessoas agora por esta razão do que em alguma outra época da história da humanidade.

2. Se falarmos de crimes e assassinatos, ainda mais, especialmente em Portugal, que apesar das notícias recentes é um dos países mais seguros do mundo.

3. A esperança média de vida nunca foi tão alta e a mortalidade infantil tão baixa. Apesar das novas doenças que aparecem, as novas curas e descobertas de tratamentos vão avançando rapidamente.

4. A qualidade de vida é altíssima, especialmente nos países ocidentais mas também se encontra em crescimento acelerado em países em desenvolvimento.

5. Os jovens desta geração são os melhor preparados de sempre para o mercado de trabalho e, ao contrário do que acontecia até há bem pouco tempo, neste momento o mercado também procura a experiência dos seniores.

6. Cada vez há mais igualdade de oportunidades, de género, raça e credo. O que só por si traz uma riqueza incontornável na resolução de problemas mas também na própria geração de valor por parte das empresas que acarinham esta diversidade.

Poderia continuar com uma lista infindável mas creio que já perceberam o meu ponto. Para mais informações e estatisticas em Portugal e na Europa, aconselho-vos a consultarem o portal Pordata.

E digam lá, olhando para estes pontos, se vale ou não a pena ter esperança?

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever newsletter



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D