Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A grande roda da vida

por doinconformismo, em 01.05.18

roda gigante

Nos bons tempos de humor disruptivo do Herman José habitámo-nos a dizer que a vida é como os interruptores, umas vezes para cima, outras para baixo.

Mas os interruptores já não são o que eram e olhando bem para a vida o que podemos dizer é que ela dá muitas voltas. E nessas voltas, sim, umas vezes estamos em cima e outras mais em baixo.

 

Este ano, no aniversário do meu filho mais novo, levámo-lo a um parque de diversões e talvez pela primeira vez andámos todos juntos na roda gigante. Não era o London Eye mas lá de cima via-se uma extensão considerável de uma paisagem lindíssima e a operadora da roda até a parou um pouco para que pudéssemos desfrutar melhor daquele momento. Não era o London Eye mas era o melhor que tínhamos naquele momento e agarrámos a oportunidade. Olhando cada porção de terreno. Sentindo-nos livres, poderosos, intocáveis até, lá em cima.

 

Mas pouco depois a roda retomou a marcha, trazendo-nos para baixo. E cá em baixo não há uma paisagem para desfrutar; onde quase roçamos o chão não há sensação de poder. Há, sim, um monte de gente a olhar para nós, impacientes por tomarem o nosso lugar. Eventualmente lá saímos da roda e fomos fazer outra coisa.

 

Hoje, ao ouvir tantas histórias de pessoas que estavam tão bem e de repente, numa das voltas da vida, vieram parar cá abaixo abruptamente, não posso deixar de comparar essa realidade com uma grande roda. Vamos subindo com esforço, à custa de muito trabalho e de boas decisões. E quando damos por nós estamos lá em cima: vemos tudo à volta, sentimo-nos bem connosco próprios, somos a suma autoridade lá do sítio. Isto quando sequer olhamos em volta pois muitos há, tão atarefados e com os olhos presos no que não está bem, que nem tomam o tempo para desfrutar. Mas eis que algo acontece e a roda desce um pouco e depois mais um pouco e um pouco mais e quando percebemos estamos quase cá em baixo, a comer pó. E a roer-nos pelas perdas, pelas más decisões, pelos inconseguimentos…

 

Nada do que façamos nos impede de experimentar esta realidade. É inevitável que assim seja. Ninguém consegue sobreviver todo o tempo no topo da montanha e não é agradável passar toda a vida no vale. O importante é o que fazemos na viagem, o que aprendemos. E se olharmos com atenção, deixando por um pouco de colocar as nossas circunstâncias como única paisagem à frente dos nossos olhos, perceberemos que mesmo na parte de baixo da roda é possível encontrar razões para desfrutar da vida. E encontrar forças para subir outra vez.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever newsletter



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D