Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Se deixarmos de ver desaparece?

por doinconformismo, em 25.02.14

Se não olharmos para o homem que todos os dias está no semáforo a tentar vender revistas CAIS, se fizermos de conta que não está lá, será que desaparece?

Se não olharmos para a quantidade de animais abandonados nas ruas, que parece crescer todos os dias, se fecharmos os olhos, será que eles desaparecem?

Se não olharmos para o desânimo estampado na cara de tanta gente, se fizermos de conta que nada se passa, será que desaparece?

 

E aquilo que não vemos mas ouvimos, velhinhos que não conseguem fazer as parcas reformas chegar para os medicamentos, cada vez mais caros, e a alimentação, quanto mais ajudar os filhos desempregados ou os netos mal nutridos?

E quando ouvimos de tanta gente de idade avançada que ficou sem emprego e ainda assim não tem idade suficiente para a reforma?

Ou quando ouvimos de tantos jovens que têm que deixar os estudos pois não têm meios para tal? E de um serviço de saúde a apodrecer?

 

Se taparmos os olhos, se deixarmos de ver, desaparece? 

Se taparmos os ouvidos, o ruído surdo deixa de lá estar?

Ou será preciso também desligar o cérebro? Até onde levamos o nosso bem-estar, aliado a uma indiferença doentia pelo que se passa à volta? Será que não entendemos que o se passa hoje com eles hoje se poderá passar connosco amanhã?

 

Olhamos mas não vemos, ouvimos mas não escutamos, vamos também deixar de pensar e de sentir? E onde é que isto vai parar? Vamos renunciar aos nossos princípios, vamos negar as nossas crenças, em nome do status quo, para que esteja tudo bem?

 

Não chega já? Não é já tempo de fazer alguma coisa em vez de apenas deixar andar? Nunca vi que deixar andar fosse boa filosofia, e continuo a não acreditar nisso..

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever newsletter



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D