Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Just enough is not enough any more

por doinconformismo, em 07.04.14

Aviso à navegação: os tempos mudaram. Nunca o progresso se evidenciou de tantas maneiras no nosso quotidiano, mas apesar disso temos menos tempo, menos dinheiro (será?) e consequentemente, menos paciência. É por isso que a nossa reação para com certos temas mudou. Já não toleramos certas coisas, porque simplesmente estamos mais exigentes. Já não damos atenção a certas coisas, porque já não a merecem. E por coisas quero dizer situações, marcas, pessoas, conceitos, conteúdos e outras coisas mais que até nos querem entrar pelos olhos dentro mas não se esforçam o suficiente. Porque o que o que era suficiente ontem já não o é hoje.

 

Sim, é preciso esforço. Só para fazer alguém desviar os olhos. E ainda mais para manter alguém atento. E ainda mais para despertar curiosidade e vontade de saber mais. Não é suficiente fazer o que é esperado, entregar o que foi pedido quando o foi pedido e cobrar pouco por isso (embora em alguns casos só isto já é um feito em si mesmo!) porque regra geral já há quem o faça. Se queremos sobressair temos que fazer diferente, mostrar excelência em um outro ponto que sejam valorizados. E isto aplica-se em qualquer área da nossa vida.

 

Por exemplo, no nosso relacionamento com a entidade empregadora. Já lá vai o tempo em que cumprir o horário e a descrição de funções era o suficiente. Agora, quem dá atenção a um colaborador que não se esforce mais, que não tente ir mais além? Outro exemplo: as habilitações académicas. No tempo dos nossos avós ser professor era ser bajulado, no tempo dos nossos pais quem tinha um curso superior tinha tudo, hoje ter um mestrado pós-Bolonha vale... o que vale. E todos os anos saem catadupas de licenciados, mestres e afins. Então como nos diferenciamos perante um possível empregador?

 

E nos relacionamentos, então, ainda mais podemos ver esta verdade. Será que fazendo o "suficiente" teremos uma amizade sólida e duradoura? um namoro? um casamento? Será que o problema de muitos relacionamentos que terminam hoje em dia não é precisamente o facto de que os seus intervenientes não quererem dar mais do que o suficiente?

 

Fazer o suficiente é estar na média. O que nos dá um emprego médio, um namoro ou casamento médio, amizades médias, experiências médias. Enfim, uma vida média. Mas quem quer viver uma vida a sério compromete-se a sério, dá mais que o suficiente, faz mais do que o suficiente, faz tudo o que é preciso. Porque para quem quer viver uma vida a sério, o suficiente já deixou de ser suficiente há muito tempo.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever newsletter



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D