Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




As pessoas acreditam no que querem acreditar

por doinconformismo, em 10.12.14

É uma quase-lei do universo e não há nada a fazer. Nem abrir a cabeça aos mais cépticos, porque cada um tem o seu sistema de crenças e valores e não mudam só porque há alguém a querer fazê-los ver "a verdade". Mas o que é a verdade ao certo? Números e factos são imutáveis mas podem ser lidos de variadíssimas formas. Por exemplo se dissermos que este mês a taxa de desemprego desceu há quem diga que tal aconteceu pela magnífica ação do governo... e há quem diga que apenas se deve à emigração continuada a que temos assistido.

Acontece assim com tudo na nossa vida. Porque quando olhamos para factos e números não olhamos apenas com o raciocínio mas com ideias pré-concebidas, com um sistema de valores que fomos adquirindo ao longo da vida e até com as necessidades que carregamos no momento. E se é assim com questões objetivas, ainda mais com questões totalmente subjetivas como um jogo de futebol, ou com religião, ou com política. 

Veja-se o caso Marquês que dividiu logo as opiniões. De um lado, uma teoria da conspiração de que este tema foi estrategicamente gerido para estragar a vida ao PS e ao seu secretário-geral. De outro, a magnífica coragem da Justiça em deter um ex-primeiro e o empenho em puni-lo exemplarmente. A verdade, como depressa se descobre, há-de estar algures no meio, entre o célebre ditado de que "onde há fumo há fogo" e a repulsa pelo facto da detenção ter sido "assobiada" a uma cadeia de televisão, e mais um universo inteiro de mini-casos ou de comparações com o Al Capone. 

Claramente, as pessoas acreditam no que querem acreditar, e muitas vezes para provarem a veracidade daquilo em que acreditam omitem ou distorcem factos porque de outra forma não caberiam nas suas teorias. A sorte de todos nós é que ao longo da vida mudamos as nossas crenças, porque adquirimos experiência - e muitas vezes, juízo. A nossa sorte é termos inteligência suficiente para adaptarmos o raciocínio ao que vamos experimentando. A nossa sorte é que, quando vivemos algo que nos marca profundamente, somos capazes de alterar até a nossa perspetiva mais dogmática. E muitas vezes isso significa simplesmente tornarmo-nos mais pessoas.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever newsletter



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D