Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A minha família é o meu refúgio

por doinconformismo, em 24.10.14

Sou uma pessoa independente e autónoma. Não preciso que ninguém pense por mim, fale por mim, ou até se meta entre mim e as minhas tarefas, aquelas que sei bem que tenho que fazer ou que me imponho para atingir determinado objetivo. Na verdade, até muitas vezes sou aquela pessoa meio incómoda que verbaliza o que todos pensam mas não têm coragem de falar, ou que toma a iniciativa de fazer algo que todos concordam que deve ser feito mas aguardam que seja outra pessoa a fazer. E nem preciso que esteja mais alguém do meu lado, e nem tenho medo de tropeçar ou até cair. Nem penso nisso, é preciso resolver, resolve-se; é preciso melhorar, melhora-se. 

Mas tenho momentos, como qualquer outra pessoa, em que me canso de lutar sozinha. Às vezes porque estou mesmo cansada, às vezes porque a intensidade das situações me leva a isso. E nesses momentos é bom olhar para o lado e perceber que de facto não estou sozinha. Muito pelo contrário, tenho alguém que me entende e apoia, ou apoia mesmo sem entender. E nesses momentos, além de me sentir segura também descanso. E isso faz toda a diferença.

Estas últimas semanas têm sido muito intensas, quer psicologica quer emocionalmente. Cada dia tem requerido o melhor de mim e como sempre, não me tenho feito rogada em dar o melhor que tenho. O reverso da medalha é chegar a casa exausta, apenas para descobrir a cada dia que as tarefas básicas como os banhos dos miudos ou o jantar estão tratados ou em andamento. Além de uma preocupação constante com o meu bem estar. É um refrigério. É um refrigério maior do que se possa imaginar, porque só quem já passou por situações idênticas em que não teve este apoio é que sabe dar-lhe o devido valor. Porque há dias em que o que eu mais quero é ouvir o mais velho falar do seu novo jogo favorito ou dar colinho ao mais novo... mas há dias em que preferia que eles nem falassem...

Ontem à noite estava a ler o Blog "Pais de Quatro" (Aconselho vivamente a quem tem filhos) e deparei-me com este artigo. Destaco: "Sinto de tal forma essa comunhão que detesto quando na escola lhes chamam Carolina Tavares ou Tomás Tavares. Não, não, não. É Carolina Mendonça Tavares e Tomás Mendonça Tavares. Sem nós - eu, ela, os dois - eles não existiam. E sem a Teresa nada disto faria sentido." Que clique que o meu cérebro fez! É por isto mesmo que os nosso filhos não se chamam só Moura ou só Rebelo. São Moura Rebelo, assim como eu, porque são o resultado de uma vida partilhada a todos os níveis e que de outra forma não faria sentido.

E é por isso que ao fim de 16 anos de casamento e vários "cliques" deste género estou em crer que a nossa relação cresceu mais um bocadinho em maturidade! 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever newsletter



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D