Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A Aglow, o Web Summit e ser uma provedora da Mulher

por doinconformismo, em 03.12.16

Já passou basicamente um mês desde que tive a oportunidade de estar na Conferência da Aglow em Portugal e, logo de seguida, no Web Summit.

Na primeira conferência, alegremente conheci mulheres que se encheram de coragem para assumir a sua parte neste mundo como pessoas de esperança e de fé, falando por aqueles que não têm voz, vivendo a sua feminalidade juntamente com a função para a qual acreditam que existem. Há tantas mulheres e homens no mundo que ainda não assumiram quem realmente são, que ainda não decidiram viver para honrar o seu propósito neste mundo!

Mas ali estavam, aquelas mulheres imensamente corajosas falando de como é serem elas próprias. Impressionante! Fui tão abençoada por ser desafiada por cada uma daquelas mulheres, especialmente pela Sara Catarino, a presidente da Aglow em Portugal e uma verdadeira inspiração para muitas mulheres, que fui para casa entendendo que certamente haveria algo mais que eu devia estar a fazer. Especialmente porque fui nomeada Provedora da Mulher no final do ano passado e estou a levar o caso muito a sério.

E depois, o Web Summit. Muito já foi dito acerca desta conferência mas eu provavelmente passei por estes dias com outra perspetiva. A verdade é que eu fui lá para conhecer pessoas. E conheci, imensas. E percebi que mesmo havendo bastantes mulheres em tecnologia, havia muito poucas mulheres de tecnologia.E isso fez-me realmente pensar. Portanto quando a Sarah Williams nos perguntou o que iríamos fazer acerca das mulheres na tecnologia, tive a ideia de montar uma talk explicando o que as mulheres podem trazer ao DevOps e Lean Development, esperando que tal ajude a trazer mais mulheres para a tecnologia e para funções tecnológicas.

Ainda estava eu a arrumar todas as peças do puzzle quando fui a um evento de DevOps com o Donovan Brown na semana passada e perguntei-lhe quais as principais razões pelas quais ele pensava que havia tão poucas mulheres na indústria tecnológica, especialmente líderes. E chegámos à conclusão de que há tão poucas mulheres programadoras que é natural que não haja mulheres nos níveis acima, como Scrum Masters.

Então este é o tempo. Espero ter os materiais prontos no final de janeiro, e conto com o vosso apoio!

Adoraria ouvir as vossas opiniões, sugestões, perguntas. Sintam-se livres para comentar estas ideias!

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever newsletter



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D