Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Sim, admito, sou algo dorminhoca e talvez por isso sinta a necessidade de defender o sono. É que por alguma razão fomos programados para sentirmos a necessidade de descansar. Eu sou daquelas pessoas que se não descansa pelo menos sete horas por noite, não funciona bem o resto do dia. Se calhar não tanto nesse dia, mas no dia seguinte não consigo pensar e ninguém me consegue aturar.

 

Agora, o que interessa a todos: o processo do sono é essencial para por exemplo consolidar a memória. Já repararam que nos períodos em que descansamos menos parece que nos lembramos de menos coisas, ou até parece que temos uma visão turva das coisas? porque tudo o que registámos na memória não ficou devidamente processado e "indexado".

 

Mas o que talvez seja mais importante mesmo é o seguinte: pouco sono equivale a pouca insulina e muito cortisol, ou seja, maior propensão para desenvolver diabetes ou, no mínimo, taxas altas de glicémia. Por outro lado, uma quantidade razoável de horas de sono faz o metabolismo funcionar, o que é quase tão bom quanto ir ao ginásio! Para quem faz as duas coisas, especialmente se não fuma, a redução do risco da doença cardiovascular é mais de 50%. Faz pensar, não é? Com todos estes benefícios o significado do "sono de beleza" até parece um pouco descontextualizado.

 

Só que eu sofro do mesmo que provavelmente muitos de vocês: sou notívaga. Adio o mais que posso a hora de me deitar mas de manhã o cruel despertador não me dá nem mais um minuto de descanso. O que é equivalente a dizer que apenas raramente durmo a quantidade de horas devida. E não é por isso que de manhã funciono menos bem, é mesmo assim, sempre foi assim e sempre será. Ainda andava na faculdade quando tentava levantar-me cedo para estudar e o resultado era sempre o mesmo: adormecer em cima dos apontamentos. Quando comecei a estudar pela noite dentro, ia sem dificuldade até às 6h da manhã a despachar matéria.

Hoje não tenho tanta liberdade para escolher os horários, mas dentro do que posso sei que nas horas em que ainda estou a acordar devo fazer as tarefas administrativas e pouco utilizadoras do cérebro. Conforme a hora de almoço se aproxima, posso então dar largas à energia e imaginação. Imaginação, que os notívagos têm em altas quantidades.

Há poucos estudos em que os investigadores estejam de acordo (lembro-me do estudo da London School of Economics em que os noctívagos são considerados mais inteligentes que os madrugadores) mas uma coisa é certa: As pessoas mais ativas de manhã tendem a ser mais organizadas enquanto os notívagos têm uma inteligência mais imaginativa. Lá está...

 

Tenho pena que estes estudos deixem invariavelmente de fora a sesta e os seus benefícios, mas não se pode ter tudo. O importante é que, deitando cedo ou tarde, se garanta o mínimo de sono para que a beleza e a saúde sejam potenciadas!

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever newsletter



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D