Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A minha resolução de Ano Novo

por doinconformismo, em 09.01.14

Este ano tomei uma única resolução de Ano Novo, como faço todos os anos. Assim, posso concentrar-me nela e garantir que a pratico as vezes suficientes para se tornar um hábito. O que este ano em particular vai ser um desafio deveras intenso. Passo a explicar:

Sou por natureza incapaz de ver algo mal feito ou incompleto ou sequer de identioficar um poblema sem me sentir compelida a ajudar a resolver. Lá encontro maneira de falar com as pessoas envolvidas, dar sugestões, fazer também alguma coisa, e pronto, de repente tenho mais um tema sob minha responsabilidade sem saber explicar como. Não sei mesmo, é algo tão natural em mim que quando me apercebo já estou no meio de mais uma coisa a tentar resolver e a fazer as coisas andar.

 

Mas este ano vai ser diferente. E porquê? Porque me apercebi de há uns tempos para cá que há quem tenha "all the fun" quando eu tenho "all the work". E já me vai parecendo tempo a mais e trabalho a mais com pouca ou nenhuma compensação/reconhecimento/mérito e tudo o que está associado. Ora, se continuar a fazer o que sempre fiz até aqui, e que basicamente é pegar em tudo o que precisa de ser feito e fazer andar, provavelmente vou ter resultado igual que é... nenhum. Por isso este ano vai ser diferente. Sem descurar aquilo que é da minha responsabilidade, porque essa é minha e não peço licença a ninguém pelo que é meu, alguém que trate do resto.

 

Sei que não estou sozinha. Muitas pessoas têm seguido uma determinada orientação, às vezes até contra as suas próprias opiniões. E não quero aqui falar dessas exceções em que nos calamos para bem de um grupo e em que fazemos o bem comum sobrepor-se às nossas opiniões ou necessidades, porque a isso chama-se espírito de sacrifício ou altruismo ou outros adjetivos qualificativos de algo bom. Falo daqueles casos em que seguimos a manada, ou porque não queremos dar nas vistas ou porque preferimos calar as opiniões, mas já chega de carneirada não? Vamos fazer os nossos direitos e opiniões valer, para variar? 

 

Inteligentemente, e sem qualquer tipo de vingança, vamos mostrar o nosso valor, seja através de uma comunicação adequada dos resultados que alcançamos e do que fazemos acontecer dia após dia e que garante uma vida muito mais descansada a quem nos tem por perto, seja mostrando o que acontece quando não estamos por perto... é certo que temos valor também pelo que somos e não apenas pelo que fazemos, mas quando o que fazemos tem muito valor, há que evidenciá-lo. E nem todos nascemos com um nome de família sonante, ou com um brazão, ou com amigos influentes, mas quem nasceu com inteligência, capacidade de trabalho e outros atributos do genéro tem um valor incalculável. Vamos mostrá-lo? 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever newsletter



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D